paus - mercado do quebra costas, coimbra - 11.09.2010

PAUS01

PAUS02

PAUS03

PAUS04

PAUS05

PAUS06

PAUS07

PAUS08

PAUS09

PAUS10

PAUS11

PAUS12

PAUS13

PAUS14

PAUS15

PAUS16

PAUS17

No segundo sábado do mês de Setembro, dia 11, os PAUS estiveram no Pátio do Castilho, para um concerto inserido no Mercado do Quebra Costas. Sim, "escreve-se com letras grandes, à patrão", esclarecem no myspace.
Os PAUS são Makoto Yagyu, Hélio Morais, João "Shela" Pereira e Quim Albergaria. São de Lisboa e pedem-nos para esquecer todas as bandas onde tocam ou tocaram anteriormente: Vicious Five, Linda Martini, If Lucy Fell e Riding Pânico, isto porque "Os PAUS cheiram a novo e a melhor maneira de perceber isso, é vê-los ao vivo ou ouvir o EP de estreia", confessam. Curiosa é a questão da bateria siamesa: duas baterias unidas pelo mesmo bombo a cargo de Quim e Hélio, Makoto fica com o baixo/teclas-sintetizadores e Shela com os teclados, todos cantam e criam "ambientes estranhos, inesperados e claustrofóbicos", como refere a Rua de Baixo. Segundo Makoto, quando se põe "uma bateria siamesa a tocar, causa impacto, é óbvio. Mas preferimos deixar a música responder e o que evidenciamos na banda é o colectivo em si, não a bateria siamesa", revelou ao Ponto Alternativo.

PAUS porquê? "Por causa da bateria?", questionou o PA. Makoto respondeu: “Muito sim, mas porque soa bem" e Hélio esclareceu "Todos nós estávamos conscientes do que isso iria suscitar e, quando surgiu o nome PAUS, foi, de facto, pelas baquetas".
Tudo isto aconteceu porque "gostamos uns dos outros e precisamos de fazer música. PAUS é o resultado de quando nos juntamos os quatro com instrumentos e umas cervejas", explicam no myspace. São, por isso, "uma bateria siamesa, um baixo maior que a tua mãe e teclados que te fazem sentir coisas". Hélio Morais defende que “Os PAUS não são nada e são tudo, ao mesmo tempo. São quatro pessoas a fazer música instintiva, sem rótulos e sem obrigatoriedade de respeitar quaisquer regras. A única premissa é essa mesma: não haver premissas. Com PAUS, queríamos ter total liberdade" (RdB).

Em palco não é fácil, "Muitos sintetizadores, vozes, duas baterias, pedais para aqui e para ali, cabos que nunca mais acabam. Mas acaba por ser isso mesmo que torna a coisa bonita. Temos que estar tão embrenhados no que estamos a fazer, que criamos ali o nosso espaço próprio, o nosso Mundo e o resultado é um turbilhão de emoções que faz daquele um momento tão intenso", afirmam.
Para muitos são uma super-banda, para os fãs são um vício. "Ao vivo, é intenso e alto", concluiu Hélio. Centraram-se em "É Uma Água", primeiro EP lançado em Junho deste ano, apadrinhado pela Enchufada. Mostrando-nos "Mudo e Surdo", o primeiro single, "Pelo Pulso", "Lupiter Deacon" e "Mete As Mãos à Boca", temas que constituem este trabalho discográfico. Apresentaram ainda um tema novo: "Salsa Galáctica".
Um grande projecto que já deu muito que falar neste nosso país e que conta com uma mão cheia de concertos dados em várias salas, ainda marcaram presença em festivais como Optimus Alive, Milhões de Festa, Paredes de Coura ou Barco Rock Fest. Abriram para os norte-americanos Health em duas datas, uma em Lisboa e outra no Porto. Convidaram os amigos e fãs para um churrasco-concerto. Como o PA questiona, "é caso para dizer «o que é que os PAUS não fizeram este ano?»".
Quem falta a um concerto de PAUS é que fica a perder, já que os que foram curtiram à brava. A Enchufada afirma que "os PAUS são do amor. Boa gente, boa onda, boa música". Resta-nos concluir: PAUS espalha amor e bacanidão!

Terminamos com a mensagem que está presente no “É Uma Água”:
"Em nome do amor, PAUS agradece a todos os que foram e vêm connosco e a todos aqueles que sentem a juventude como algo que não tem nada a ver com idades.

Mete as mãos à boca, mesmo que só tu o vejas acredita que não há nada para além daquilo que vês. Evita a nostalgia e põe-te em lugares estranhos. Dobra e és inquebrável.

Falha. Fala línguas, faz merdas épicas."

2 comentários:

Ana disse...

Um dia quero ser como tu e tirar fotos assim tão tão bonitas ;)
Parabéns Adriana!

adriana boiça silva. disse...

Ana, muito obrigada!
Gostei muito de ler que as fotografias são tão, tão bonitas! Um grande beijinho! :)